A WOMAN WHO CUTS HER HAIR IS ABOUT TO CHANGE HER LIFE

Vou vos contar uma pequena história. Sim porque eu gosto de histórias e tomei a liberdade de escrever uma! É muito...


Vou vos contar uma pequena história. Sim porque eu gosto de histórias e tomei a liberdade de escrever uma!
É muito simples, venho escrever sobre cabelo, mas seria muito fácil escrever sobre, e só de cabelo. Então porque não meter para aqui imensas coisas e BOOM?!
É uma coisa que me tem fascinado e sempre fascinou, é um cabelo curto ou uma franja numa cara bonita, sim sou sincera, um cabelo Rapunzel é de sonho realmente é, mas será o cabelo de sonho? Todas nós sabemos o quão difícil é cuidar dum cabelo grande e os cuidados que requer e montes de cortes de ‘pontinhas’ que temos de fazer para que cresça e para que não fique espigado ou estragado. Eu acho isso tudo muito chato!
O cabelo nunca foi uma moda ou uma tendência ou muito menos um estilo, na minha opinião. 



Sabem onde surgiu realmente o corte de cabelo cujo nome nós designamos por ‘cabelo á tigela’? Na Guerra dos 100 anos entre França e Inglaterra (1337 a 1453), e agora vocês dizem que eu estou louca e que engoli uma enciclopédia! Que graça, mas é mesmo verdade. Perguntem antes, porquê?
Muito simples, porque para haver história tem de haver alguém que escorregue na banana ou simplesmente alguém que corte o cabelo!

Exato, como fez a Santa Joana Of Arc.
Santa mas ela não era santa, era uma heroína e chegou a ser chefe militar, não cortou o seu lindo cabelo para estar na moda ou para ter estilo dentro da sua armadura como podem calcular mas sim por causas práticas, como disfarçar-se entre os seus contemporâneos masculinos.
Mas ainda antes de Joana Of Arc, lembram-se de Cleópatra?

69 a.c e já usava um cabelo cheio de estilo, diz-se que foi o primeiro cabelo “must have” da história. Eu diria que sim.

Voltemos a falar de Guerra, pouco antes da 1ª Guerra Mundial (1914 a 1918) a mulher lutava pelo direito à participação na vida politica e pelo direito ao voto, mas só mais tarde, durante a guerra, a mulher assume finalmente um papel importante. É então ai que a guerra contribui de forma considerável para a mudança do papel das mulheres ao exigir que elas trabalhem no sector económico, o que até à data seria bem impossível.

Mas afinal o que tem tudo isto a ver com cabelo?
É muito fácil, até a mulher ganhar todos esses direitos praticamente era uma dona de casa e isso competia-lhe, estudar, casar, ter filhos, cuidar da casa, dos filhos e do marido e ainda dela, isto é, do cabelo e da sua imagem. Mas as mulheres nunca satisfeitas tinham de querer mais neste caso, queriam ser independentes! Durante a guerra foi aceite cortar o cabelo apenas por questões práticas como a dita Stª Joana, não era por estilo ou por moda era mesmo só para não dar trabalho porque trabalho já elas tinham imenso.

Até á data todo este corte designado Bob era muito europeu, até que invade a América em 1915. Podem calcular o que aconteceu, certo? Tornou-se tendência, tudo por causa de Irene Castle, bailarina e apoiante de projetos de moda e estilo para jovens senhoras elegantes, ficou hospitalizada e teve de cortar o cabelo e por vergonha de não ter o seu longo cabelo usava um lenço na cabeça até que um dia se convenceu a mostrar-se, uma bela história americana (ahm).

Mas 1920 será sempre o ano do Bob, depois de uma liberdade pessoal foi permitido à mulher durante a 1ª guerra mundial sair de casa para trabalhar, permissão para votar, praticar desporto e sair de casa sozinha, desistir de cabelos longos torna-se então símbolo de independência e de força igual aos homens.


Mas mais uma vez e nunca satisfeita, a mulher procurava uma mudança drástica para abandonar o passado austero, com isso levando o cabelo com ele (o passado).
Dito isto, 40 anos depois, em 1960, o corte Bob tornou-se um estilo radical onde simbolizou uma nova fase da emancipação feminina.
Twiggy (Lesley Hornby) aparece com um corte completamente radical o chamado bob de cinco pontos, Lesley era modelo e ficou bem conhecida não por escorregar na banana mas pelo seu trabalho como modelo e pelo seu corte de cabelo.



Tantos anos nisto de corta e não corta, o cabelo é finalmente visto como sexy, em 1970. A partir daqui tudo era possível, Bob punk, Bob reto, Bob textura, Bob encaracolado, enfim ‘N’ de Bob’s.
Chegada ao século 21, muitas pessoas experimentam o corte apenas por experimentar algo novo e diferente por algum tempo. Mas muitas vezes o Bob significa uma escolha alternativa e relativamente segura: retro, chic, adgy, vintage and arty. Cá estou eu, terminando praticamente a minha história sobre cabelo ou sobre Bob.
É incrível o que um corte de cabelo pode significar, e corte bob é histórico, simboliza a mulher independente, progressiva e espirituosa por encorajar um lado mais ousado da sua personalidade.

Tudo isto para partilhar com vocês que planeio viajar na história e fazer parte deste estilo; retro, chic, adgy, vintage and arty.

xx, v

You Might Also Like

0 comentários

@vanessapereirinha